Vereador pede que Latam reavalie medidas de redução de salário e demissão de colaboradores

Câmara de Campinas

O vereador Nelson Hossri (PSD) protocolou uma moção de apelo pedindo que o CEO da empresa Latam, Jerome Cadier, não aplique as medidas permanentes de redução dos salários e/ou restrições definitivas de direitos trabalhistas aos funcionários da companhia aérea. Colaboradores, que moram na região de Campinas, relatam ao vereador a insegurança causada pela crise do novo coronavírus.

A empresa vem sinalizando a implantação de medidas para atenuar os impactos econômico-financeiros negativos decorrentes da pandemia do COVID-19. Entre as determinações estariam a demissão de 700 pilotos e copilotos, um terço do total, e outros cerca de 2 mil comissários, além de corte salarial.
 
A tensão vivida pelos colaboradores se deve ao fechamento da filial na Argentina, demissão total da equipe de solo no Paraguai, suspensão de contratos na Colômbia, devolução de prédios, diminuição de salários e uma série de demissões no Brasil. Aeronautas ainda denunciam que a restrição permanente dos salários e mitigação definitiva de direitos trabalhistas contraria CCT (Convenção Coletiva de Trabalho da Aviação).
 
No documento, o vereador destaca que a Latam registrou um lucro operacional de 268 milhões de dólares em 2019. “Os colaboradores estão sofrendo com estresse e insegurança pela indefinição da empresa. O que eles pedem é apenas um acordo coletivo temporário e justo, como aconteceu com as concorrentes Gol e Azul”, defendeu Nelson.
 
O acordo coletivo de trabalho divulgado pela companhia aérea prevê medidas também como Programa de Licença Não Remunerada Voluntária (LNRV), Programa de Demissão Incentivada (PDI), Programa Compulsório Escalonado de Redução de Jornada e Salário, Programa de Alteração do Modelo De Remuneração (Fixa e Variável), Impossibilidade de Reajuste Salarial e Ampliação da Jornada para Tripulação Simples. A moção será votada em Plenário na próxima sessão remota.